Serra do Cipo

História da Serra do Cipó

Conheça um pouco da história da Serra do Cipó

A história da Serra do Cipó remonta às comunidades primitivas que acreditavam no poder sobrenatural ou mágico dos desenhos e por isso deixaram seu registro, através de pinturas rupestres. Para provar a existência dessas marcas basta se adentrar dentro das cavernas e grutas presentes na região, que possuem um acervo rico de figuras entalhadas. Por volta do século XVIII, bandeirantes, tropeiros e escravos atravessavam a serra a procura de ouro e pedras preciosas. Por ali, transportavam mercadorias e davam sustento a base da mão-de-obra colonial. Pode-se dizer que hoje o acesso facilitado às cidades de Diamantina, Serro e Ouro Preto se deve a boa localização na porção sul da Serra do Espinhaço. Da escravidão resta ainda a trilha percorrida pelos escravos que conduz ao topo da cachoeira do Véu da Noiva.


Passada a euforia inicial da busca do ouro a população da Serra do Cipó e do entorno dedicou-se à agricultura de subsistência, à criação de gado, à produção de cachaça (importante produto regional até hoje), dentre outros produtos.

Entre as manifestações culturais destacavam-se a Folia de Reis, o batuque, os 'paulistas', o reisado, o congado e o Candombe. Candombe, misto de canto, declamação cantada e percussão de tambores, praticada por descendentes de escravos, era até poucas dezenas de anos cantado em língua africana, hoje esquecida.


Na culinária tradicional eram utilizados especialmente: ovo de galinha, carne de porco, carne de frango, milho, ora-pro-nobis, quiabo, andu (ou guandu), jiló, feijão-roxinho, urucum, queijo, pimentas e o arroz-vermelho. Entre as plantas aromáticas se destacava o 'quitoco', planta ruderal nativa, tempero excelente para pratos salgados, especialmente a carne de porco. Carne de caça variada era constante nas mesas, o que somente foi abandonado a partir do incremento da fiscalização federal, na década de 1980.


A Serra do Cipó na Pré-História

A região da Serra do Cipó foi ocupada por populações pré-colombianas. As populações mais antigas a ocupar a região, entre 8.500 e 12.000 atrás, eram negróides, coletores e caçadores, com agricultura incipiente, que deixaram sítios com os enterramentos ritualizados mais antigos do mundo (Grande Abrigo de Santana do Riacho; Prous, 1992/1993). Esses moradores caracterizavam-se por baixa fecundidade, mortalidade elevada de crianças e de adolescentes, mortalidade precoce dos adultos e expectativa de vida muito baixa, com poucos indivíduos chegando aos quarenta anos (Souza, 1992/1993b). No interior do Parque Nacional a maioria das pinturas rupestres representa cervídeos (veados), geralmente nas cores ocre ou vermelho e, mais raramente, amarelo, laranja, branco e preto; esses padrões, no entanto, são muito variáveis na região e na região de Matozinhos, havendo enorme diversidade de registros rupestres, tanto de pinturas, quanto de gravuras (incisões) (Prous, Baeta e Rubbioli, 2003).


Povos Indígenas na Serra do Cipó

Os indígenas (ou 'mongolóides') chegam à Serra do Cipó em uma segunda etapa da colonização da região. A ausência de restos esqueletais dos indígenas na região impede o estudo mais detalhado dessas populações, mas foram encontrados artefatos por eles produzidos, como objetos e fragmentos de vasos (nos chamados 'sítios cerâmicos') e machados. Não se sabe se os contatos entre o 'povo de Luzia' (primeios habitantes da região) e os indígenas foram pacíficos, mas confrontos violentos podem ter sido prejudiciais a esses primeiros moradores. Essa hipótese pode explicar, também, o súbito desaparecimento do homem de Neanderthal na Eurásia, há cerca de 27.000 anos, incapaz de fazer frente ao Homo sapiens, muito mais belicoso e adaptável. A demografia desfavorável (crescimento populacional reduzido ou negativo), a ênfase econômica na caça e na coleta, a alta incidência de doenças e de acidentes (Souza, 1992/1993a) e a belicosidade reduzida podem ser causas que contribuíram, somadas, para a extinção dos moradores primitivos da região. Período Colonial A região da Serra do Cipó foi palmilhada no século XVII por sertanistas paulistas. As primeiras fazendas foram estabelecidas a oeste da serra ainda no século XVIII. A Fazenda do Cipó, a 3 km da atual sede do ParNa, já existia no início do século XIX. A Estrada Real, que ligava o Rio de Janeiro a Diamantina, foi aberta no início do século XVIII. Ao longo dela cresceram cedo as localidades de Itabira, Itambé do Mato Dentro e Morro de Gaspar Soares (hoje Morro do Pilar, a leste da serra) e Conceição do Mato Dentro ao norte, ligadas à exploração do ouro, que nunca foi abundante na região. A oeste, a localidade de Riacho Fundo (hoje Santana do Riacho) já existia em fins do século XVIII. As localidades próximas de Taquaraçu de Minas e Jaboticatubas datam do século XVIII. Diversas trilhas e caminhos antigos cruzavam a serra ligando essas localidades a Ouro Preto, Santa Luzia, Sete Lagoas e Itabira. A população da Serra do Cipó e do entorno, passada a euforia inicial da busca do ouro, no século XVIII, dedicou-se à agricultura de subsistência, à criação extensiva de gado vacum e equino (especialmente jumentos e mulas) e à produção de cachaça (importante produto regional até hoje), à criação de porcos e extração de azeite combustível para iluminação e azeite édulo para culinária (de mamona e de macaúba - 'coqueiro'). Outros produtos regionais eram o milho, o arroz (no século XX), o feijão e a madeira (especialmente de candeia, aroeira e monjolo). Os campos naturais do alto da Serra do Cipó, por serem relativamente úmidos, foram muito utilizados como pastagens nas estações secas, apesar de pouco produtivos. Viajantes e Naturalistas O botânico Auguste de Saint-Hilaire atravessou em 1817 (Saint-Hilaire, 1974 e 1975) a Serra do Cipó, então Serra da Lapa, nos atuais municípios de Congonhas do Norte, Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar, tendo coletado materiais botânicos. Em 1818 o botânico Martius e o zoólogo Spix passaram também por Morro de Gaspar Soares, como ainda se chamava Morro do Pilar. Desconhecemos se coletaram materiais científicos na Serra do Cipó. Em 1820 o botânico austríaco Johann Emanuel Pohl passou por Morro de Gaspar Soares, onde pode ter coletado. A primeira publicação científica que menciona resultados de coletas na Serra do Cipó parece ser o livro 'Velhas-Flodens Fiske et bidrag til Brasiliens ichthyologi', do zoólogo dinamarquês Christian Frederik Lütgen, publicado em 1875 em Copenhagen. Esse ictiologista estudou peixes coletados no Rio Cipó, pouco abaixo do atual Parque Nacional. A Serra do Cipó tem sido objeto de levantamentos científicos sistemáticos desde o último quartel do século XIX (W. Schwake, Alvaro Astolpho da Silveira). O botânico, geólogo e polígrafo mineiro Alvaro Astolpho da Silveira publicou em 1928 e 1931 na Imprensa Official de Minas Gerais os dois volumes da sua obra Floralia montium, as primeiras monografias científicas focadas na Serra do Cipó .Outros trabalhos importantes e pioneiros foram: 'Brasilien und seine Säulenkakteen', do botânico alemão Erich Werdermann (1933); 'Excursão à Serra do Cipó e a Barreiro, no Estado de Minas Geraes', de Alexandre Carlos Brade (1935); 'Resultados de excursões na Serra do Cipó no Estado de Minas Gerais', de Henrique Lahmeyer Mello Barreto (1935); 'Orchidaceae novae brasilienses I', de A. C. Brade e P. Campos Porto (1935); 'Melastomataceae novae II', de A. C. Brade (1938). Nesses trabalhos foram descritas muitas espécies de plantas endêmicas da Serra do Cipó. Da década de 1930 à década de 1980 as pesquisas científicas com materiais coletados na Serra do Cipó se multiplicaram. Ao todo, já foram publicados cerca de 1.100 trabalhos científicos sobre a Serra do Cipó e sua biota, entre livros, capítulos de livros, livretos, folhetos e artigos de periódicos (revistas científicas). As pesquisas científicas são incentivadas e apoiadas pelos técnicos do Parque Nacional da Serra do Cipó. Os pesquisadores podem utilizar os alojamentos e abrigos de montanha do Parque Nacional, utilizar animais de montaria da unidade, laboratório, computadores e guiagem por funcionários. Fonte: Celso do Lago Paiva



Serra do Cipo hospedagem

Hospedagens

As melhores opções de hospedagem na Serra do Cipó você encontra aqui no Portal Serra do Cipó. Faça sua reserva!

Reservar Pousada
Onde comer na Serra do Cipo

Gastronomia

Gastronomia é o forte da Serra do Cipó. Conheça os melhores restaurantes da região, aqui no Portal Serra do Cipó.

Reservar Restaurante
Cachoeiras

Passeios

Conheça os melhores receptivos turísticos da Serra do Cipó. Pograme-se para passeios inesquecíveis!

Reservar Passeio
Eventos

Eventos

Confira a agenda de eventos deste mês na Serra do Cipó. Programe-se, venha se divertir com a gente na linda Serra do Cipó

Agenda de Eventos

Serra do Cipo

Na Serra do Cipó você encontrará excelentes pousadas, casas, chalés e sítios, com infraestrutura completa para sua estadia ser perfeita em contato com a natureza. Pousadas com piscina, sem piscina, com hidro e sem hidromassagem, pousadas de diversos preços e até com promoções para períodos prolongados. Quartos rústicos e sofisticados. Cada hospedagem na Serra do Cipó tem uma história e uma infraestrutura diferente. Aqui no Portal Serra do Cipó você poderá conferir as melhores opções de hospedagem. Na Serra do Cipo você poderá conferir também ótimos restaurantes, bares e eventos. Além de tudo isso poderá desfrutar de lindas cachoeiras e do famoso Parque Nacional da Serra do Cipó, com seu visual deslumbrante. Para realizar os passeios na Serra do Cipó, sugerimos que contrate um guia. Você poderá conferir as agências disponíveis aqui no Portal Serra do Cipó. Realizando suas cotações nas pousadas da Serra do Cipó, nos restaurantes da Serra do Cipó ou nas agências, informe que viu o anúncio no nosso Portal.


Na Serra do Cipó não tem:

  1. Posto de gasolina. O mais próximo fica a 28km.
  2. Oficina mecânica.
  3. Serviço de chaveiro.
  4. Rodoviária ou ônibus coletivo.
  5. Caixa eletrônico.

Dicas do Portal Serra do Cipó:

  1. Sempre tenha um agasalho em mãos.
  2. Faça opção por passeios guiados.
  3. Faça sua reserva com antecedência.
  4. Evite atravessar rios com chuva.
  5. Não jogue lixo nas matas e cachoeiras

Newsletter

Cadastre-se para receber nossa Newsletter semanal com dicas e promoções.

@

Compartilhe

E ai, gostou do Portal? Compartilhe com seu amigos e ajude a divulgar a Serra do Cipó e suas belezas.

Serra do Cipó

Parceiros

Torne-se um parceiro do Portal Serra do Cipó e esteja presente no mais completo Portal de Informações Turísticas, Comerciais e Culturais da Serra do Cipó. Entre em contato.

Serra do Cipo

O mais completo Portal de informações turísticas, comerciais e sociais da Serra do Cipó.
Rua Soberbo, S/N - Serra do Cipó, 35847-000 Santana do Riacho, Minas Gerais
Tel:( 31) 4042-6261 ,

4,8 stars - based on 2729 reviews
serra do cipo pousadas na serra do cipó casas na serra do cipó chalés na serra do cipó imóveis na serra do cipó pousadas na serra do cipó mg casas na serra do cipó mg imóveis na serra do cipó mg pousadas serra do cipó casas serra do cipó imóveis serra do cipó chalés serra do cipó pousada na serra do cipó casa na serra do cipó chalé na serra do cipó imóvel na serra do cipó pousada serra do cipó casa serra do cipó chalé serra do cipó imóvel serra do cipó pousada na serra do cipó mg casa na serra do cipó mg chalé na serra do cipó mg imóvel na serra do cipó mg pousada na serra do cipó mg melhor pousada na serra do cipó preço de casas na serra do cipó preço de imóveis na serra do cipó hospedagem na serra do cipó opções de hospedagem na serra do cipó visite a serra do cipó portal serra do cipó terrenos na serra do cipó lotes na serra do cipó aventura na serra do cipó cachoeiras na serra do cipó venda de imóveis na serra do cipó restaurantes na serra do cipó, camping na serra do cipó eventos na serra do cipó
© Portal Serra do Cipó Todos os Direitos Reservados - Proibida a cópia ou reprodução de textos ou imagens sem prévia autorização da Fabriqueta.com.br